Bem vindo ao

Blog do Ted

Home / Futebol Brasileiro / O Bahia de Carpegiani sonha com a Libertadores. E ela está bem próxima.

O Bahia de Carpegiani sonha com a Libertadores. E ela está bem próxima.

O torcedor tricolor não cansa de repetir o mantra: “Como é bom ter um técnico”. Sim, sem dúvidas. Desde a chegada de Carpegiani, não é exagero dizer que o Bahia se tornou um dos melhores times do país. É só pegar os números: quando Carpe chegou, o tricolor tinha um ponto à frente da zona do rebaixamento. Dos 27 pontos disputados, ganhou 16 (59% de aproveitamento), ocupa a 9ª posição e está a um pontinho da tão sonhada Libertadores.

Outros números também ajudam a entender o quão importante é ter um treinador de verdade. Edigar Júnio fez 10 gols nos últimos 9 jogos, justamente quando Carpe assumiu. O time fez 17 gols e sofreu 12. Resgatou o futebol do ótimo Allione, esquecido por Preto e Jorginho. Além disso, evoluiu a forma de jogar iniciada no trabalho de Guto Ferreira. Hoje o Bahia de Carpe é muito melhor que o Bahia de Guto.

O jogo contra o Santos não foi fácil. Depois de mais um vacilo da defesa, o Bahia saiu atrás no placar mais uma vez. E mesmo tomando uma forte pressão, o time não se desesperou. Soube ter paciência para fazer seu jogo, até que numa boa jogada de Mendonza, Zé Rafael foi derrubado dentro da área. Pênalti convertido pelo Colombiano, seu oitavo na competição. O jogador que chegou desconfiado se tornou uma das principais peças da equipe, colocando Régis de vez no banco de reservas.

O Bahia voltou ao segundo tempo sabendo que precisava vencer e não repetir o jogo anterior, contra o Galo. E logo aos 10 minutos, um contra-ataque mortal resultou no gol contra de Alison, em mais uma belíssima jogada de Zé Rafael, um dos principais jogadores do time em 2017. Talvez fosse o principal, não fosse René Júnior. Os dois, que dificilmente ficarão no clube em 2018, são os principais responsáveis pela excelente campanha tricolor.

Aí foi a vez do professor entrar em ação. Aprendida a lição contra o Galo, Carpe não demorou para agir. Tirou Juninho, que vinha fazendo uma boa partida, para promover a volta de Édson. E como jogou muito em sua volta o volante tricolor. É impressionante o volume de jogo do camisa 19 do esquadrão. Junto com René, tomou conta do meio de campo. Logo depois vieram Régis e Éder, nas vagas de Allione e Eduardo. O lateral tricolor, por sinal, fez uma péssima partida. Não conseguiu ir bem no apoio e claramente não consegue voltar para recompor o lado direito. No segundo tempo, inclusive, Juninho jogou de lateral direito, para ficar de olho em Bruno Henrique.

Foto: Twitter oficial do Bahia

E ao contrário dos times de Guto Ferreira, que seguravam o placar mínimo até o final, matando o torcedor de preocupação, o time de Carpegiani resolveu o jogo. Em belíssima jogada de Régis, Edigar Júnio recebeu na cara do gol e só não marcou porque levou uma tesoura criminosa de Jean Mota. Sem problemas: ele mesmo cobrou a penalidade e marcou seu 12º gol no campeonato. Jogo liquidado.

Com o triunfo, o Bahia chegou aos 49 pontos na edição, consolidando sua melhor campanha na história dos pontos corridos na 35ª rodada. Ainda faltam 3 jogos e com certeza essa marca ainda será melhor. O time viaja à Recife para enfrentar o Sport no domingo. O time Pernambucano está praticamente rebaixado e o Bahia pode selar o descenso de vez do rival Nordestino se vencer o confronto na Ilha do Retiro. E se quiser garantir o sonho da Libertadores, o tricolor não pode pensar em voltar sem os 3 pontos.

Acredito que o Bahia precise de mais 6 pontos para garantir a vaga. Isso porque o Vasco tem dois jogos difíceis fora de casa: Atlético-PR e Cruzeiro. Joga contra a Ponte, em São Januário, na última rodada. O Flamengo joga em casa contra Corinthians e Santos, mas deve poupar jogadores por causa da semi final da Sul-americana, que ocorre no meio das próximas semanas. Pega o Vitória na última rodada, no Barradão, lutando para não cair. E o Botafogo tem dois jogos difíceis contra São Paulo e Palmeiras fora de casa, e outro jogo difícil contra o Cruzeiro pela última rodada.

Não será nenhum absurdo se Vasco e Botafogo somarem no máximo 5 pontos, e se o Flamengo somar apenas 3. O Bahia tem sim, uma chance enorme de voltar à Libertadores depois de 28 anos. Além disso, o G7 pode virar G8 se o Grêmio vencer a Libertadores. O torcedor do Bahia sonha com a conquista do time Gaúcho. Já o Flamengo na Sul-americana é melhor não esperar nada. Elenco rachado, péssimo futebol apresentado e clima político ruim na Gávea não ajudam o momento rubro-negro. Mas o esquadrão precisa fazer a parte dele. E se jogar o futebol apresentado nas últimas rodadas, o torcedor pode ficar tranquilo. É difícil ganhar do time de Paulo César Carpegiani. O treinador que a torcida do Bahia tanto pedia.

twitter: @tedsimoes

3 thoughts on “O Bahia de Carpegiani sonha com a Libertadores. E ela está bem próxima.”
  1. Marcelo Costa 17 de novembro de 2017 on 20:41 Responder

    Uma ótima matéria! Parabéns Ted!

  2. sergio araujo 17 de novembro de 2017 on 21:12 Responder

    ted não ti conheço pessoalmente,mas admito sua sinceridade e acima de tudo suas palavras são verdadeira, e se o nosso baea for a liberta que tenho certeza que ira e porque o nosso presidente acordou pra vida, e boa sorte pra toda comissão técnica e todos os jogadores, e que em dezembro toda nação tricolor esteja comemorando a vaga na liberta.bora baea minha prra

  3. Jorge de Azevedo 18 de novembro de 2017 on 13:16 Responder

    Eu não acreditava na permanência do Bahia no grupo de elite do futebol brasileiro por causa do amadorismo nas contratações e nos arrumadinhos para formar a comissão técnica. O grupo que realmente entra em campo hoje é pequeno, mas, possui qualidade, os que vieram com a intenção de se encostarem estão escanteados. Era isso que o Bahia precisava.

    Estamos conscientes de que a Libertadora é um sonho possível, não tão fácil de ser alcançado, mas, se a diretoria trabalhar olhando o futuro, mantém a base e no próximo brasileiro estaremos nós lutando pela Libertadores em igualdade de condições com os grandes do nosso futebol.

    O futebol hoje não aceita mais atitudes amadoristas. Ou se torna profissional de vez o futebol do Bahia e da Bahia, ou estaremos sonhando com sonhos possíveis, sempre.

    Abraços Ted.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

>> <<